quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

La Japonaise (1987)


Intérpretes: Freddie Mercury & Monserrat Caballé;
Gravado a 9 de novembro de 1987 e incluído no álbum "Barcelona" de 1992.

sábado, 3 de novembro de 2012

Uma Noite em Casa de Amália



Elenco:
Amália | Vanessa Silva
Vinicius de Moraes | Marcos de Góis
David Mourão-Ferreira | Nuno Guerreiro
Alain Oulman | Hugo Rendas
Natália Correia | Paula Fonseca
Ary dos Santos | Ricardo Castro
Maluda | Cláudia Soares
Militar | Rui Andrade
Casimira | Rosa Areia
Hugo Ribeiro | Pedro Martinho

Encenação: Filipe La Féria

Teatro Politeama
Rua Portas de Santo Antão - Lisboa

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

domingo, 30 de setembro de 2012

Ao Meu Amigo

Quero ser o teu amigo.

Nem demais e nem de menos.

Nem tão longe e nem tão perto.

Na medida mais precisa que eu puder.

Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida, da maneira mais discreta que eu souber.

Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar.

Sem forçar tua vontade.

Sem falar, quando for hora de calar.

E sem calar, quando for hora de falar.

Nem ausente, nem presente por demais.

Simplesmente, calmamente, ser-te paz.

É bonito ser amigo, mas confesso é tão difícil aprender!

E por isso eu te suplico paciência. Vou encher este teu rosto de lembranças,
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias...

Fernando Pessoa

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

A Muleta do Seixal



A Muleta do Seixal ou Muleta de Tartaranha é uma das mais invulgares embarcações portuguesas, caída em desuso em finais do século XIX. Os seus portos de armamento eram o Seixal e o Barreiro, onde figura como o elemento principal no brasão destas duas cidades.

Embarcação de pesca de arrasto à vela, aparelhava uma arte de rede de arrasto pelo fundo em forma de saco, chamada arte de tartaranha. A sua zona de actuação limitava-se aos estuários do Tejo e do Sado e à plataforma continental entre os Cabo da Roca e Cabo Espichel. Pescava principalmente peixe areado (azevia, linguado e solha).

Considerada durante muito tempo como uma embarcação de tipo romano (ou mesmo mais antiga), a moderna investigação situa-a em Portugal numa data muito mais recente (sécs. XVI-XVII). A muleta de tartaranha foi substituída nos finais do século XIX pelo bote de tartaranha, embarcação tradicional do tipo dos barcos do Tejo, que desenvolveu a sua actividade até finais da Segunda Guerra Mundial.

Um dos aspectos mais característicos da muleta e do bote de tartarenha é o aspecto vélico, constituido por um conjunto grande de velas armadas a vante e a ré, triangulares e retangulares.

Encontra-se presente no brasão da Cidade do Seixal.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Festas Populares de São Pedro em 2009

Recordação das Festas Populares de São Pedro - Seixal 2009.
Animação de rua pelo grupo DivértiSeixal.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

O 25 de Abril de 1974



No trigésimo oitavo aniversário da Revolução dos Cravos, recordo as mais marcantes imagens do dia e da época, ao som da canção "E Depois do Adeus" de José Calvário e José Niza, interpretada pelo Paulo de Carvalho.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Não Há Mal Que Nunca Acabe

Isto está um Deus nos valha
Vamos todos comer palha
Do modo que as coisas estão
A malta está tão à rasca
Que só vai comer à tasca
Sandes de cascas sem pão

in "Agarra Que É Honesto", 2009

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Grupo Cénico José Viana Soma e Segue

Revista em cena até Agosto.
Para mais informações: grupocenicojoseviana@gmail.com


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Demasiado

Hoje lembrei-me de uma das músicas que mais marcou a minha adolescência.
O grupo era as famosas Spice Girls e a música chamava-se Too Much.
Este clip de vídeo tem pequenos trechos do filme que as Spice Girls tiveram durante meses em cena nos cinemas.
Talvez por ouvir 'demasiado', ainda hoje a tenho na memória.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Fado Moliceiro


Na continuação do disco "Um Homem na Cidade", Carlos do Carmo e Ary dos Santos juntaram-se a vários músicos e criaram "Um Homem no País".
Deste último, recordo o Fado Moliceiro, que tão bem retrata a região de Aveiro, onde nasceu a minha avó na cidade da Murtosa, em 1930.

A partir de hoje o disco "Um Homem no País" está disponível na barra do lado direito deste blogue, com todas as músicas que tão bem retratam cada região.

Fado Moliceiro
Letra: José Carlos Ary dos Santos
Música: Carlos Paredes


Silêncio que se vai cantar a ria...

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Calçada de Carriche

Luísa sobe,
sobe a calçada,
sobe e não pode
que vai cansada.
Sobe, Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.

Saiu de casa
de madrugada;
regressa a casa
é já noite fechada.
Na mão grosseira,
de pele queimada,
leva a lancheira
desengonçada.
Anda Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.

Luísa é nova,
desenxovalhada,
tem perna gorda,
bem torneada.
Ferve-lhe o sangue
de afogueada;
saltam-lhe os peitos
na caminhada.
Anda Luísa,
Luísa sobe,

sobe que sobe,
sobe a calçada.

Passam magalas,
rapaziada,
palpam-lhe as coxas,
não dá por nada.
Anda Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Chegou a casa
não disse nada.
Pegou na filha,
deu-lhe a mamada;
bebeu da sopa
numa golada;
lavou a loiça,
varreu a escada;
deu jeito à casa
desarranjada;
coseu a roupa
já remendada;
despiu-se à pressa,
desinteressada;
caiu na cama
de uma assentada;
chegou o homem,
viu-a deitada;
serviu-se dela,
não deu por nada.
Anda Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.

Na manhã débil,
sem alvorada,
salta da cama,
desembestada;
puxa da filha,
dá-lhe a mamada;
veste-se à pressa,
desengonçada;
anda, ciranda,
desaustinada;
range o soalho
a cada passada;
salta para a rua,
corre açodada,
galga o passeio,
desce a calçada,
chega à oficina
à hora marcada,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga;
toca a sineta
na hora aprazada,
corre à cantina,
volta à toada,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga.
Regressa a casa
é já noite fechada.
Luísa arqueja
pela calçada.
Anda Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada,
sobe que sobe,
sobe a calçada,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Anda Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.

Rómulo de Carvalho, vulgo António Gedeão
in Poesias Completas (1956-1967)

sábado, 21 de janeiro de 2012

Tony Carreira: Plágio ou Calúnia?

Veja o vídeo e tire as suas próprias conclusões!

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

A Música Ficou Mais Pobre



Partiu hoje o maestro, compositor e cantor Pedro Osório, ficando o panorama musical português mais pobre.
Neste vídeo recordo uma das participações dele no Festival RTP da Canção.
Até Sempre.